25 de setembro de 2022
Carreira Cultura Notícias

Músicas que ajudam na concentração: qual o estilo certo?

Por Geraldo Paim

Estou escrevendo esse texto ao som de uma obra no apartamento vizinho. Sim, não dá para eliminar os ruídos ao seu redor. Mas o cérebro possui uma capacidade chamada atenção seletiva, que faz com que nossa percepção se atenha mais a uns estímulos do que a outros. É aí que a música entra. Ao invés de sua cabeça ficar pescando cada alerta que surgir aos seus ouvidos, uma música de fundo pode estabilizar sua atenção e contribuir na produtividade.

As ondas sonoras que entram pelos seus tímpanos ativam o cerúleo. Essa área do cérebro tem neurônios que produzem noradrenalina, estimulante natural responsável por controlar ansiedade e estresse.

Que gênero escolher?

Um estudo realizado pela Universidade de Caen, na França, concluiu que música clássica ajuda cerca de 12 % na atenção dos alunos. O trabalho contou com estudantes de 249 universidades, todos no mesmo nível de aprendizado. Separados em dois grupos, assistiram à mesma palestra. Um dos grupos teve a experiência ao som de obras de compositores clássico. No teste final, frente a um exame sobre a palestra, apresentou melhor resultado o grupo que tinha acompanhado a apresentação ouvindo Bach, Tchaikovski e Mozart. O compositor austríaco, inclusive, deu nome a um efeito popularizado em um estudo da revista Nature, de 1993. Segundo a publicação, o “efeito Mozart” traz benefícios às funções cognitivas. De forma geral, a música clássica é o gênero mais indicado para ajudar na concentração.

Outro trabalho, realizado na Universidade de San Diego, na Califórnia, afirma que o estilo pode até reduzir a pressão sanguínea, relaxando e afastando a tensão, diferente do jazz e do pop. Claro que “A cavalgada das valquírias”, de Wagner, deve funcionar melhor para sobrevoar os vietcongues (entendedores entenderão). Por isso, além do gênero, é importante utilizar alguns critérios na escolha da música que vai ajudar você a estudar. Vamos conferir:

Dinâmica: músicas que mudam muito de dinâmica, acelerando o tempo, trocando de andamento ou alterando volume durante a própria faixa podem atrapalhar seus estudos. O ideal é algo mais estável.

BPM: o número de batidas por minuto de cada canção. Procure não ultrapassar muito 100 BPM.

Letra: especialistas afirmam que a música instrumental tem melhor resultado. Letras, principalmente se forem do seu idioma ou de canções que você conhece, podem desviar sua atenção.

Volume: o especialista em memorização Felipe Lima, autor do livro Mapas Mentais e Memorização para Provas e Concurso, afirma que o volume da música deve ser bem baixa, quase inaudível. Há metaleiros estudiosos que irão discordar. Mas caso você esteja testando os efeitos da música em momentos de concentração, comece com pouco volume.

A musicoterapia emprega faixas com poucos instrumentos, notas lentas e espaçadas, em suas diferentes aplicações. Um método parecido pode ser eficaz quando você precisando se concentrar.

Todos esses pontos são variáveis de acordo com o ouvinte, mas os gêneros mais citados quando se fala em música para melhorar o foco são: música clássica, jazz, lounge e sons da natureza, como chuva e floresta. O produtor Brian Eno, famoso por trabalhar dom David Bowie, U2 e Coldplay, tem diversos discos intitulados Ambient Music.

A dica é escolher com cuidado. Se quer ouvir jazz, um disco de Miles Davis do meio dos anos 50 é mais “suave” do que suas produções do começo dos anos 70, por exemplo.

Pensando nisso, Spotify, Deezer e outras plataformas possuem playlists específicas para quem precisa estudar.

Já a Focus@Will cria composições inéditas para essa finalidade. O app Brain.fm é outra opção. Conectado a um sistema de inteligência artificial, desenvolve músicas exclusivas seja qual for o objetivo do usuário – ler, relaxar ou dormir. Disponível gratuitamente por 5 sessões, o software apresenta até os resultados das criações.

Agora que você já está pronto para começar os estudos, que tal conhecer as formas de ingressar na Newton? Acesse nosso site e confira as oportunidades para você se preparar para o mercado de trabalho.